fica assim perto de mim


O teu toque (nada mais existe) - perco-me contigo por caminhos nunca antes pensados nem descobertos - encosta-te a mim e fica sempre assim, junto comigo no silêncio e no sorriso.
O meu abraço moldou-se ao teu corpo - as mãos ficaram com o perfume de dias envoltos de mar e sol - como sinto que te conheço desde o sempre. e como quero conhecer-te para sempre.

Todos os dias ganhou aspas como se de uma expressão nova se tratasse. Amar - um novo verbo carregado de ingenuidade: um amanhecer que me era desconhecido.
As noites falam a mesma língua que eu - nunca as entendi - e o teu nome é tema de melodias que fazem sorrir a própria lua que brilha mais do que nunca.

Um cigarro sabe melhor na tua companhia e o cansaço de ti é tudo o que o corpo precisa: o sangue só corre quando me olhas.

O ficar dos dias quentes, quentes os dias em que ficamos... - juntos como sempre senti que estivemos. O frio dos dias em que te sinto longe...frios são os dias em que não te tenho.

Ensina-me tudo o que já sei...porque não devo saber - festejo o teu amor todos os dias.

Fica assim perto de mim...não vás embora...

lembras-te de como me olhaste?
nesse dia olhaste-me...
e a seguir morri.
para voltar a viver perto de ti.

"bem piroso e lamechas como o amor deve ser...verdadeiro."

2 comentários:

Raquel disse...

gosto destas pirosices como lhes chamas! bonito de ler, melhor de sentir!

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.