retrato de uma história

Jardins de Sintra

Era uma tarde daquelas, iguais a tantas outras que, sendo sempre iguais a outras tantas, nada têm de mágico. Era uma dessas tardes. Hoje entendo o por quê de ter sido tão única [estava à tua espera]. Chegaste. Sentei-me ao teu lado. Deste-me um beijo. Não daqueles beijos que sabem a primeiro. Aqueles iguais a tantos outros que a rotina habituou a dar. Hoje matava por um beijo igual aquele [igual a tantos outros]. Com um sorriso [banal - o que de mais doce senti] disseste-me ter comprado um livro do Oscar Wilde. Perguntaste-me se eu gostava. Não precisei de responder e sorri. Senti que não ias gostar.

Esta noite calma e vazia e só e cheia de tanto e sem nada, pergunto-me se gostaste. Remoo a pensar se gostaste de frases como 'A vida é apenas um espaço de tempo horroroso cheio de momentos deliciosos', ou como

'Acredito que se um homem vivesse a sua vida plenamente, desse forma a cada sentimento, expressão a cada pensamento, realidade a cada sonho, acredito que o mundo beneficiaria de um novo impulso de energia tão intenso que esqueceríamos todas as doenças da época medieval e regressaríamos ao ideal helénico, possivelmente até a algo mais depurado e mais rico do que o ideal helénico. Mas o mais corajoso homem entre nós tem medo de si próprio. A mutilação do selvagem sobrevive tragicamente na autonegação que nos corrompe a vida. Somos castigados pelas nossas renúncias. Cada impulso que tentamos estrangular germina no cérebro e envenena-nos. O corpo peca uma vez e acaba com o pecado porque a acção é um modo de expurgação. Nada mais permanece do que a lembrança de um prazer, ou o luxo de um remorso. A única maneira de nos livrarmos de uma tentação é cedermos-lhe. Se lhe resistirmos, a nossa alma adoece com o anseio das coisas que se proibiu, com o desejo daquilo que as suas monstruosas leis tornaram monstruoso e ilegal. Já se disse que os grandes acontecimentos do mundo ocorrem no cérebro. É também no cérebro e apenas neste que ocorrem os grandes pecados do mundo'.

Sabes, foi também ele que escreveu... 'Se não demorares muito, posso esperar por ti toda a vida'.

Nessa noite alcancei 'o outro lado do jardim' quando me agarrei a ti.

2 tardes | 3 noites | recordo retrato com imagem definida | melodia com todas as notas.

1 comentário:

Fallen, The Countess disse...

Agarra-o com sofreguidão minha linda... Não deixes que seja apenas mais uma história de amor, mais um dia, mais um sorriso, mais um beijo arrancado da rotina de todos os relacionamentos... Não o deixes afastar de ti e puxa-o sempre que o sentires fugir... Não faz sentido amar por amar, e é tão bom a partilha do um mundo com quem te completa!

P.S. - Ah, sim... Oscar Wilde, mi gusta! Adoro o retrato de Dorian Gray!! :)