tudo é agora mais do que tudo


"não me perguntes quem sou. não me perguntes nada.
eu não sei responder a todas as perguntas do mundo."
J.L.P.
Um começo, uma vida. Resisti à morte, sobrevivi à dor. Volta-se ao princípio. Uma história - uma nova página - a folha está imaculada, a caneta e a tinta a postos. [também estou]. Desenha uma caligrafia que não reconhece. As linhas traçadas por dedos sonhados que outra vez existem. Mais do que o sorriso, o renascimento.

Travei uma luta e pêras. Feri e matei, mas sobrevivi. Mato novamente. As cicatrizes perduram como testemunho do palco a que os incautos chamam vida.

Regressei.

Por caminhos esquecidos a luta continua. A única recordação - o destino - a casa. O cheiro de paz e o toque da calma. O único caminho a seguir, a vontade de regressar. Por labirintos, lutas, monstros, sereias, dragões e princesas, a viagem foi longa, as horas demoradas. Faria tudo de novo, as mesmas pedras pisadas, os mesmos montes escalados, as mesmas estrelas choradas. Tudo da mesma forma.

O tormento...
O tormento das noites frias, o tormento da escuridão, o medo, o frio, a chuva, a escuridão, o medo...o frio. O punhal crava cada vez mais fundo na carne. Sangra quando não resta uma gota. A pela branca,...o frio. Passa o dedo no papel - sentes? A morte mais cruel...a única que existiu.
Os olhos ficaram no vazio e lá permaneceram. A solidão do vazio cheio de recordações, os vultos.

Não existem mais medos. O teatro do inferno representou de graça e vi tudo. Morte - não existe outra.

A caneta rola para longe, as palavras escrevem o futuro finalmente traçado - nunca tive jeito para desenhar. Mas pintar...azul...Quero uma árvore, quero mar, quero um sol de manhãs de novembro, quero lilazes, quero neve para nunca esquecer o frio, e quero a tua mão.

O único tormento foi o caminho para te encontrar. O martírio seria partir. Sendo assim, tudo o resto foi paraíso, nada custou. Tudo outra vez para regressar ao teu sorriso - és-me maior que a vida.

Não quero morrer. Agarra-me.

2 comentários:

delilah disse...

'és-me maior que a vida'
como é possivel ler-te aguentando a lágrima no canto do olho?! x')

faltas-me e gosto-te ainda mais x')*

Jana disse...

Que dor que foi conseguir ler c as lagrimas a rolar cm s n houvesse amanhã! Acho que nc vou ser capaz de ouvir esta musica sem chorar compulsivamente. E que belo é sp o regresso... li hj uma frase que me vai ficar eternamente na cabeça "mais importante que chegar, é subir"! Sem olhar para baixo.. oh tormento mais doce! E se pelo caminho, chegares, aí sim tens o teu paraíso. Que vai continuar a ter fadas, dragões, princesas, sereias, labirintos... Mas nem por isso deixa de ser teu o paraíso... Nem por isso deixa de ser o mais doce tormento!